segunda-feira, 29 de janeiro de 2007

O Amor (para acabar de vez com isto)

Hoje, vou falar-vos da minha vida amorosa. Tudo começou com a minha primeira namorada. Rapariga esplendorosa e tão adorável quanto todas as raparigas daquela idade me pareciam na altura (hoje em dia parecem assemelhar-se ao Slash ou à Barbie), o seu nome era Bárbara. Vivemos uma relação excepcional até que a vi com o seu cão. Apercebi-me nesse fatídico momento que não era a mim que ela queria, e senti-me obrigado a acabar com tudo. Os meus amigos da altura contam-me que ela conseguiu que os seus pais aceitassem a sua nova relação, mas o chiuaua traiu-a com a melhor amiga dela.
Desde esta altura que eu me apercebo que a sorte nada quer comigo. A minha relação séria sequinte demorou a reaparecer. Entre ambos os relaccionamentos tive uma série de pequenos encontros com o mais variados tipos de rapariga. Normalmente acabavam com os pais delas a disparar uma espingarda pela Rua de Santa Catarina abaixo, enquanto me perseguiam e eu me tentava vestir. Mas isto começou a cansar-me, ao fim de uns anos, e lá assentei com a deliciosa Alexandra. Alexandra era verdadeiramente extraodinária, mas tinha um defeito fundamental: se eu não pusesse o som de uma rapariga a gemer, no fundo, parecia que estava a ter relações com a própria cama. Nunca me esquecerei do momento em que a luz fez com que parecesse que ela tinha mexido os olhos...
Vi-me obrigado a acabar tudo com ela, e, por escassas semanas, ainda regressei aos velhos hábitos de uma corrida matinal pela Rua de Santa Catarina abaixo. Nessa altura conheci a Cláudia, que apesar de não ser particularmente bela, era particularmente inteligente e engraçada. Aguentei dois meses até traí-la, acreditem ou não. E nesse dia alterei um pouco a minha corrida matinal: era ela que me perseguia, enquanto a sua irmã me gritava, ao longe, para eu telefonar mais tarde.
Há uns meses atrás voltei a apaixonar-me, mas a rapariga primeiro usou Raid, e de seguida a melhor amiga. Escusado será dizer que não demorou até que eu voltasse às corridas matinais...
E porquê esta visita à Avenida da Memória, perguntam vocês? Poque me apaixonei outra vez, o que significa que não tarda nada teremos uma actualização...

1 comentário:

Paulo disse...

escreves.te isto na noite das bruxas so pode!